GO: Mãe é presa após filha de 4 anos morrer em hospital com vários hematomas pelo corpo

0
941

Uma mulher foi presa após a filha de 4 anos morrer em um hospital com vários hematomas pelo corpo. O caso aconteceu no município de Palmeiras de Goiás, região oeste do estado.

De acordo com informações da Polícia Militar (PMGO), Ester Gabriely Monteiro foi levada à unidade hospitalar por uma menina de 15 anos e pela avó. 

Familiares contam que já haviam denunciado as agressões, que ocorriam há cerca de dois anos, ao Conselho Tutelar.

A prisão ocorreu na última sexta-feira (24/3). O portal não conseguiu localizar a defesa da mãe de Ester para um posicionamento até a última atualização desta reportagem. 

Ainda de acordo com a polícia, a mulher foi presa em flagrante pelo crime de homicídio. No relato policial, é explicado que quem acionou a polícia foram os médicos que atenderam a menina, uma vez que ela deu entrada na unidade com hematomas e passando mal.

A polícia explicou que, na ocasião, a menina foi deixada pela mãe com uma menina de 15 anos que estaria cuidando dela e foi para Goiânia. Segundo a corporação, a adolescente teria questionado a mulher sobre os hematomas da criança, mas a mãe teria alegado que seria “alergia”. Como a menina não parou de passar mal, a adolescente e a avó de Ester a levaram ao hospital.

O portal não conseguiu contatar o Hospital Municipal de Palmeiras de Goiás para um posicionamento até a última atualização desta reportagem.

AGRESSÕES RECORRENTES

De acordo com o pai da menina, Diego Cândido, as agressões contra Ester eram recorrentes e a família lutava para conseguir a guarda dela.

Estava correndo atrás da guarda dela e até ser resolvido no juízo, nós íamos no Conselho Tutelar, mas houve muita negligência”, disse o pai.

Foram várias denúncias de maus tratos. As agressões aconteciam há dois anos. Ela agredia ela e também já tinha agredido a outra filha mais velha”, acrescentou o tio da menina, Rafael Cândido.

Segundo o tio de Ester, a irmã mais velha da menina, de 10 anos, também era agredida e, com isso, o pai conseguiu a guarda dela.

No começo ela deixava as filhas com a gente. Por ela estar agredindo a mais velha, ela tomou medo. Nós percebemos e seguramos ela. Depois ela não deixou mais a Ester vir aqui mais, disse que estávamos tomando as filhas dela. Então a mais velha ficou conosco e a Ester com ela”, explicou Rafael.

Deixe seu comentário