Após deputado propor câmeras em fardas de policiais, Governador Ronaldo Caiado diz que prioridade é colocar o item em celas de presídio

0
195
Governador Ronaldo Caiado, Goiás — Foto: Reprodução

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União Brasil), falou sobre uma das prioridades do governo quanto ao direcionamento dos recursos de Segurança Pública: a instalação de câmeras nas “celas de prisioneiros”. A declaração foi dada após ele ser questionado sobre colocar o objeto na roupa de policiais. A medida foi proposta na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás (Alego).

Nós estamos tentando ao máximo recursos para colocar câmeras nas celas de prisioneiros. Sem dúvida alguma todos nós vamos avançar“, afirmou Caiado.

O governador foi questionado sobre a possibilidade de instalar o item nas fardas de policiais militares e civis na segunda-feira (23) durante coletiva de imprensa. A medida em questão foi proposta pelo deputado estadual Antônio Gomide (PT), na Alego.

A reportagem questionou o Governo de Goiás sobre a possibilidade de instalação de câmeras nas fardas dos policiais, apesar da priorização do item nas celas dos prisioneiro, e o governo ressaltou “não ser uma prioridade“.

Em nota, a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) informou que o governador Ronaldo Caiado determinou um estudo para melhoria dos sistemas de videomonitoramento dentro das unidades prisionais do Estado, mas que a diretoria já monitora, por meio de câmeras, os pátios, corredores e áreas externas e internas das unidades prisionais.

Na coletiva de imprensa, o governador também caracterizou Goiás como uma referência em Segurança Pública em relação aos demais estados brasileiros.

A referência em Segurança Pública é o estado de Goiás. As pessoas estão vindo para Goiás copiar a Segurança Pública do estado“, que é o quesito mais bem avaliado por 7 milhões de goianos, justificou o governador.

Segundo o governador, tais resultados são fruto da profissionalização das forças de segurança e dos investimentos realizados na pasta de Segurança Pública do Estado.

 

 

 

Deixe seu comentário