Médico é indiciado por cobrar dinheiro para preencher apólice de seguro de vida de pacientes no Hospital Araújo Jorge

0
180
Médico do Araújo Jorge é indiciado por cobrar para preencher apólice de seguro de vida ((Foto: ACCG)

A Polícia Civil indiciou um médico do Hospital Araújo Jorge por suspeita de corrupção passiva, nesta terça-feira (03), em Goiânia. Segundo as investigações, o profissional cobrava para preencher a apólice de seguro de vida de familiares de pacientes falecidos. Os valores variavam entre R$ 200 e R$ 400.

De acordo com o delegado Cleybio Januário, responsável pelas investigações, até o momento, apenas o filho de um paciente denunciou o crime. A vítima alega ter pago a cobrança, embora indignado, e depois denunciado caso para a polícia, tendo inclusive gravado a entrega da “propina”.

Segundo a polícia, o suspeito exerce a função de médico assistente do Grupo de Apoio ao Paciente Paliativo do Hospital Araújo Jorge. A entidade é privada e filantrópica, sem fins lucrativos, mas credenciada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para o atendimento de pacientes oncológicos em Goiás.

Vale ressaltar, que a cobrança e o próprio preenchimento desses formulários são expressamente proibidos por Resolução do Conselho Federal de Medicina.

Agentes da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Administração Pública (Dercap) pedem à população que, caso tenham sido vítimas desse tipo de cobrança, que procurem a delegacia para que o fato também seja devidamente apurado. A denúncia também pode ser feita pelo Disque Combate à Corrupção, número 181, da Secretaria de Segurança Pública de Goiás.

A Associação de Combate ao Câncer em Goiás (ACCG), mantenedora do Hospital de Câncer Araújo Jorge, afirma que orienta integrantes do corpo clínico a não preencherem tal declaração e que não compactua com infrações à lei ou desvios éticos.

Confira a nota na íntegra abaixo.

“A Associação de Combate ao Câncer em Goiás (ACCG), mantenedora do Hospital de Câncer Araújo Jorge, esclarece que:

1) O preenchimento de relatório de seguradora configura ATIVIDADE PERICIAL, motivo pelo qual a instituição orienta os integrantes do seu Corpo Clínico a não preencherem tal declaração;

2) Além disso, a ACCG não compactua com infrações à lei ou com desvios éticos- o que inclui o preenchimento desses formulários, o que é expressamente proibidos por Resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM);

3) Com relação aos fatos apurados pela Polícia Civil do Estado de Goiás, a ACCG irá se inteirar para tomada de posição”.

 

Deixe seu comentário