Italiano vacinado é infectado com variante brasileira do coronavírus

0
279
Variante brasileira do coronavírus contamina italiano vacinado contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Wirestock/ Freepik)

Um profissional de saúde do hospital de L’Aquila, na Itália, foi infectado com a variante brasileira do novo coronavírus Sars-CoV-2, mesmo depois de ter recebido a vacina da Pfizer/BioNTech. A nova cepa foi identificada durante exames periódicos realizados em todos os operadores sanitários e analisada pelos institutos de zooprofilaxia experimental de Abruzzo e Molise.

Vale lembrar, no entanto, que as vacinas disponíveis hoje ainda não possuem eficácia comprovada contra as novas variantes e que, mesmo vacinada e sem desenvolver a covid-19, uma pessoa pode pegar o coronavírus e transmitir para outras pessoas.

As autoridades sanitárias da Itália estão fazendo novas avaliações detalhadas, mas acreditam que a vacina pode ter protegido o paciente contra sintomas graves. O profissional é assintomático e está em isolamento domiciliar.

Segundo relatos, ele teria contraído o vírus de sua mãe, após a família registrar um surto com pelo menos seis casos positivos.

Todos não apresentam sintomas. Os médicos de L’Aquila realizam testes para verificar se as pessoas também foram contaminadas com a variante brasileira.

Amanhã está prevista uma reunião com as autoridades de saúde e a prefeita do município, Cinzia Torraco, para debater a situação.

Nos últimos dias, na cidade de oggio Picenze já haviam sido descobertos três casos da cepa brasileira em três brasileiros residentes na região central.

Estudos sobre variantes
Em janeiro, a Pfizer afirmou que um estudo laboratorial mostrou que a vacina era eficaz contra uma mutação-chave, chamada N501Y, encontrada em duas das novas variantes altamente transmissíveis que se espalhavam no Reino Unido e na África do Sul, mas não citava a variante brasileira descoberta em Manaus (AM).

Outro estudo em laboratório, divulgado hoje, leva a crer que a variante sul-africana do coronavírus pode reduzir a proteção de anticorpos da vacina da Pfizer com a BioNTech em dois terços, e não está claro se a vacina será eficaz contra a mutação, disseram as empresas.

Deixe seu comentário
SHARE
Goiano, 26 anos, Casado, Pai, Redator e Proprietário do Jornal Itapaci Urgente. Aqui a notícia é verdade.