Volta às aulas presenciais nos colégios estaduais de Goiás será com rodízio

0
36

A volta das aulas presenciais nos colégios da rede pública estadual devem contar com um sistema de rodízio entre os estudantes, mesclado com ensino remoto, e prioridade para alunos sem acesso a internet. Estes são alguns dos planos da Secretaria de Estado da Educação de Goiás (Seduc-GO) para a reabertura das instituições de ensino.

Seguindo nota técnica da Secretaria Estadual de Saúde de Goiás (SES-GO), as aulas presenciais estão suspensas até o dia 31 de julho. A previsão é de retorno em agosto, mas a data pode ser revista em meados de julho e ser modificada, dependendo do cenário da pandemia do novo coronavírus no Estado. As aulas presenciais das instituições de ensino públicas e privadas foram suspensas entre os dias 15 e 18 de março.

Independente da data de retorno, a forma como as atividades escolares presenciais serão retomadas está sendo definida. Já que essa volta às aulas será diferente, com medidas para garantir a segurança dos estudantes e servidores, evitando a propagação do vírus, e para que todos os alunos tenham acesso ao mesmo conteúdo necessário em cada etapa escolar.

Por isso, o atendimento dos estudantes sem internet será uma prioridade, segundo a superintendente de Ensino Médio da Seduc-GO, Osvany Gundim. “Até o momento, pensamos em um retorno primeiro desses estudantes que não tiveram aula no regime a distância, que não tiveram condições. Posteriormente, os demais estudantes de forma escalonada”, explica a gestora, que faz parte do gabinete de crise que está elaborando um documento com um plano de retorno às aulas.

De acordo com Osvany, no primeiro mês de retorno às aulas, os estudantes dos colégios estaduais devem fazer avaliações diagnósticas, para saber os conteúdos que os alunos aprenderam durante as aulas remotas. Já no segundo mês deve ser feito um processo de nivelamento. Nos três meses seguintes serão aplicados os conteúdos essenciais do terceiro e quarto bimestre. “Não vai ser possível focar em todas as habilidades e competências. Vamos elencar as essenciais para dar condições”, explica a superintendente.

As aulas presenciais também devem acontecer no formato de rodízio para garantir menos estudantes em cada sala de aula. O projeto da Seduc é dividir cada turma em quatro grupos. O número pode variar dependendo do tamanho da escola. Assim, cada grupo teria aulas presenciais de tempo em tempo, mescladas com aulas a distância. Ainda será definido se esse rodízio será feito de forma diária ou semanal.

“Como vamos trabalhar com essa metodologia, de aulas não presenciais por meios remotos e presenciais, estamos nos embasando no modelo de sala de aula invertida, onde o estudante, no momento que vai para a unidade, também busca suporte para dar sequência a atividades de aulas não presenciais”, avalia Osvany.

A superintendente pondera que apesar desses planos da Seduc estarem avançados, a nova metodologia é passível de mudanças, já que o cenário da pandemia do Covid-19 é inédito. “Estamos vivendo um momento muito novo, provavelmente ainda teremos muitas alterações. Estamos preparados para elas. Vai depender muito do que virá, do contexto a partir de agosto.”

Deixe seu comentário
SHARE
Goiano, 26 anos, Casado, Pai, Redator e Proprietário do Jornal Itapaci Urgente. Aqui a notícia é verdade.