Força-tarefa julga processos de presos provisórios em Goiás

0
19

Palco de rebeliões em presídios no começo do ano, Goiás iniciou uma força-tarefa para analisar e julgar processos de presos provisórios no estado.

Por 40 dias, a Corregedoria Geral de Justiça e o TJ-GO (Tribunal de Justiça de Goiás) vai coordenar trabalhos nas unidades prisionais do estado para atualizar o cadastro dos detentos junto ao BNMP (Banco Nacional de Monitoramento de Prisões) e levar o máximo de processos do status provisório para o definitivo.

“A intenção não é contar presos, mas sim analisar e julgar a situação de cada um”, diz a juíza auxiliar da Presidência do TJ-GO, Maria Cristina Costa. O mutirão teve início nesta segunda-feira (2).

De acordo com o BNMP, são 16.621 presos no estado, sendo que 7.050 são considerados provisórios que estão no cárcere há mais de 180 dias.
A iniciativa surgiu após reunião realizada em março com a ministra Cármen Lúcia, presidente do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) e do STF (Supremo Tribunal Federal), que solicitou a realização de forças-tarefas nos estados de Goiás, Roraima e Sergipe.

O sistema carcerário goiano foi destaque no noticiário nacional no começo do ano com duas rebeliões no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, nos dias 1º e 5 de janeiro. Na primeira delas, nove detentos morreram -sendo dois deles, decapitados- e outros 14 ficaram feridos.

De acordo com dados do Ministério da Justiça divulgados no final de 2017, o Brasil ultrapassou a Rússia e atualmente abriga a terceira maior população carcerária do mundo, com 699 mil detentos, atrás somente dos Estados Unidos (2,1 milhões) e da China (1,6 milhão).

Deixe seu comentário
SHARE
Goiano, 25 anos, Casado, Pai, Redator e Proprietário do Jornal Itapaci Urgente e futuro Jornalista. Aqui a notícia é verdade.